Balançar, ir para traz e para frente. No embalo agradável de um brinquedo ou de uma cadeira, pode ser entendido como observar o futuro e analisar o passado, de perto e de longe. Ambos cavalinho e cadeira de balanço, para crianças e para adultos, tem essa sutil e subjetiva interpretação.

Os brinquedos são uma representação das atividades reais, porém de maneira lúdica, com o objetivo de preparar para a vida adulta, em outras palavras “brincar de futuro”. 

Ao pesquisar quais os brinquedos mais antigos do mundo, você vai encontrar entre eles, o cavalinho de balanço/ de pau, arquitetados de maneira doméstica com materiais disponíveis de cada época.

A cavalo muitas lutas foram travadas e e novas terras conquistadas, logo, o cavalo representado pelo cavalinho permitia essa visualização ao infante. Esse clássico brinquedo perdura gerações.

O cavalinho de balanço em vime lembra da brincadeira original, da simplicidade, onde a criança ao brincar faz sinais e ordena, aprende a equilibrar e embalar, empodera-se de possibilidades e sentidos.

A cadeira de balanço também considerada um utilitário de descanso é desenvolvida e adaptado para oscilar, onde os pés anteriores estão ligados aos posteriores. A pessoa sentada fica com o centro de gravidade alinhado com os pontos de contato com o solo, permitindo limitar os esforços musculares.

Desenvolvido com variados designs e materiais. A cadeira de balanço em vime confere carinho e aconchego a decoração, evoca histórias, encontros, conversas, cochilos e memórias.

O jogo de ir e vir, o balançar, da cadeira e do cavalinho, entre as dimensões temporais e espaciais, a relação do tempo real com o futuro e o passado é onde o infante planeja sua vida e o velho remonta a sua história.

Se você gostou do conteúdo e quer conhecer mais sobre os vimes, suas histórias e analogias fique ligado nas nossas postagens!

 

 

Deixe um comentário